Hoje corro pelos profissionais da saúde

corrida dos trabalhadores 01-05-2008 020

Por Marcio Uno

Após uma internação devido uma infecção viral, volto a correr. E, às vésperas da Meia Maratona de São Paulo, corri 15 km na chuva de verão.

Já trabalhei em um hospital e sei da importância dos profissionais desta área. Ficar internado e sentir na pele só enfatizou o que eu pensava.

Sei que neste grande Brasil a área da saúde possui instalações precárias, falta profissionais de qualidade, falta medicamentos e há demora no atendimento (quando há). Algo absurdo, pois no momento de maior carência, necessidade e vulnerabilidade humana, estes são tratados de forma humilhante, desprezível e desumana. Aqueles que conseguem um bom atendimento são geralmente os que pagam (e muito bem por sinal) pelo serviço.

A indignação atinge seu ápice com as denúncias de “chacina” aos doentes promovida por uma equipe de trabalho na UTI de um dos maiores hospitais de Curitiba, o Universitário Evangélico.

Protesto pela saúde democrática, que priorize aos mais necessitados, com qualificação e reconhecimento profissional, investimentos e que seja uma das principais áreas de atenção às políticas públicas.

Fui contemplado. Só tenho de agradeço pelos dias que estive em área de isolamento e fui bem tratado pela equipe do Serviço de Moléstias Infecciosas do Hospital do Servidor Público de São Paulo. Pela atenção, acompanhamento, seriedade, profissionalismo, cuidado, dedicação, conversas, sorrisos de médicos, residentes, enfermeiros e seus auxiliares. Sou grato e tenho mais vida devido a estas vidas. Muitíssimo Obrigado!!!

REGISTRO AQUI MEU PROTESTO POR UM SERVIÇO DE SAÚDE DECENTE AO NOSSO PAÍS E GRATIDÃO AOS PROFISSIONAIS QUE PRESTAM UM LINDO TRABALHO.

Hoje corro por Duque de Caxias (RJ) e Santa Maria (RS)

download

Imagem extraída do site: http://www.agencianoticias.com.br

Por Marcio Uno

Mal começamos o ano de 2013 e as tragédias reaparecem. As minhas duas corridas neste mês são dedicadas à lembrança, a solidariedade, o choro e a dor das vítimas de Duque de Caxias, mais especificamente o distrito Xerém (RJ), e Santa Maria, cidade do Rio Grande do Sul.

Se, na primeira semana do ano, o caos foi ocasionado pelas chuvas torrenciais de verão que devastou moradias, carros, móveis e deixaram milhares de famílias desabrigadas e um morto na região serrana fluminense, a última do mês teve como protagonista as chamas do incêndio que consumiu a casa de shows Kiss e deixou centenas de feridos e mais de 200 jovens mortos na madrugada da cidade gaúcha.

Não tenho o intuito de comparar qual foi a mais grave das situações, porém tanto numa como outra, há muitos elementos parecidos. Fatos conhecidos que ainda se repetem na mesma circunstância como: deslizamentos de terras em Angra dos Reis (2010), na região de Petrópolis (2011), dentre outros; fogo em boates devido à pirotecnia em Buenos Aires (2004), Perm (2009), Bangcoc (2009) e em Belo Horizonte (2001).

download (1)

Imagem extraída do site: http://www.g1.com.br

Também há sucessões de erros: alerta da defesa civil desde a década de 80 quanto habitação irregular e perigosa em Duque de Caxias, serviço de coleta de lixo irregular e acúmulo de resíduos na cidade, falta de programa de infraestrutura básica e fiscalização; dificuldade de concessão de alvarás de funcionamentos, documentos vencidos, extintores inoperantes, falta de fiscalização rigorosa, ambiente com capacidade máxima permitida ultrapassada e fora das normas exigidas por lei, forro acústico sem tratamento antichamas, inexistência de brigada de incêndio e seguranças mal treinados.

Além dos estragos, óbitos e marcas destas catástrofes, somos tomados por indignação. Agrava-se a tristeza pelo fato de que as tragédias são anunciadas. Não há controle sobre desastres naturais nem de acidentes, porém ações preventivas, responsáveis e fatos do passado poderiam diminuir o número de vítimas e efeitos ocorridos por tais eventos.

Assim como muitas famílias e jovens, sonho com janeiros e dias melhores.

REGISTRO AQUI MEU LAMENTO E SOLIDARIEDADE !!!

Hoje corro pelo ano de 2013

Por Marcio Uno

Dia 31 de Dezembro de 2012. Apesar da triste notícia da morte de Israel Cruz Jackson de Barros – http://israelcruzox.blogspot.com.br/ – na prova dos cadeirantes durante a descida da Rua Major Nataniel, cerca de 25.000 pessoas invadiram entusiasmados a Avenida Paulista. Alguns corriam para se esquecerem do ano de 2012, enquanto outros celebravam os dias vividos.

Além destes dois motivos, corri pela esperança que os próximos 365 dias sejam de força, lutas, coragem, alegrias e amadurecimento. Que a torcida pela felicidade também seja lembrada juntamente com a contribuição de minhas atitudes diante da vida. Uma delas é que corri com alguns amigos e conhecidos, estes que serão importantes ao meu lado para vencer dias após dias.

Mais do que correr pelo ano de 2013 é saber que cada dia será uma eterna maratona na história de meu currículo.

REGISTRO AQUI O MEU DESEJO.